NO AR
Salvador FM
Política
Compartilhar

Movimento ‘Por Amor à Advocacia’ repudia ataques a Ana Patrícia

Por Redação LDNotícias no dia 28 de nov - 17h00 | Foto: Divulgação

Movimento ‘Por Amor à Advocacia’ repudia ataques a Ana Patrícia

Os advogados e advogadas integrantes do movimento “Por Amor à Advocacia”, repudiaram os recentes episódios de violência, política de gênero, machismo e misoginia praticados contra a advogada Ana Patrícia Dantas Leão, atual vice-presidente da OAB-BA e candidata de oposição nas eleições institucionais deste ano.

Na última quarta-feira (24), o atual presidente da Caixa de Assistência aos Advogados da Bahia (CAAB) e Conselheiro Federal eleito, Luiz Augusto Coutinho, se dirigiu até o comitê da candidata para proferir, pessoalmente, ataques contra a Vice-Presidente da OAB-BA. 

De acordo com o grupo, dando sequência aos ataques, na mesma data, o advogado Carlos Frederico Guerra Andrade, conhecido como Fred, utilizou sua conta no Instagram para veicular foto do comitê de Ana Patrícia atravessada por uma faca, sob a frase “not dead yet” (ainda não morreu), com trilha sonora de Beth Carvalho: “chegou a hora, vais me pagar, pode chorar”, da canção intitulada como “Vou Festejar”. Fred também é conhecido pela sociedade profissional com a presidente eleita Daniela Borges. 

"Outros ataques foram concretizados na manhã da quinta-feira (25), na porta da residência da advogada, através de carro de som com agressões de baixo calão, especificamente do nível: 'puta', 'vagabunda' e 'traidora', com repercussão em todo o bairro, acompanhado de um buquê de rosas e cartão escrito 'nunca será!'. Um dos indivíduos envolvidos no episódio exibia no peito a praguinha das candidatas situacionistas Daniela Borges e Christianne Gurgel. Os atos repugnantes perpetrados contra Ana Patrícia representam um ataque frontal à  toda a advocacia e alcançam todas as mulheres e instituições da sociedade que lutam pela eliminação da violência de gênero e pelo protagonismo de mulheres nos espaços públicos", diz a nota. 

Segundo o grupo, todas as ações foram orquestradas com o claro intuito de inibir a atuação de mulheres em posição de liderança na política institucional da OAB-BA e na tentativa de ofuscar a liderança de Ana Patrícia, "fato incontestável em toda a Bahia com a expressiva votação confiada à chapa 'OAB de Coração', capitaneada pela advogada em oposição a chapa da situação". 

Para os aliados, o momento é de dor e consternação, "mas também transformou-se em ocasião propícia para conclamar a união de esforços de toda a advocacia brasileira com o objetivo de exigir respeito por Ana Patrícia e por todas as mulheres advogadas, além de revelar aqueles que não querem negociar privilégios para mudar a dura realidade machista e de aversão às mulheres". 

Relacionadas